• Marcos Nazário

Cúpido de laboratório


O coração tem razões que a própria razão desconhece. Assim pensava Voltaire, mas o psicólogo Arthur Aron parece discordar disso de forma veemente. Dedicado a investigar a criação de intimidade há décadas, Artur teve no começo do ano uma de suas pesquisas comentadas por grandes veículos midiáticos e espalhada pela cultura popular, “participando” até de um episódio da popular série The Big Bang Theory”.

Apesar de publicada em 1997, ela só recebeu atenção por parte do grande público este ano, graças a reportagem realizada pela escritora e professora Mandy Len Catron para o The New York Times, intitulada “To fall in love, do this” (em livre tradução: para se apaixonar, faça isso). No texto, a autora conta como decidiu realizar o experimento de Arthur Aron, desenvolvido para gerar intimidade, com um colega de faculdade, e como eles acabaram se apaixonando. Se não bastasse isso para auxiliar na publicidade do experimento, no próprio artigo escrito por Aron é contado que a equipe recebeu um convite para uma festa de casamento, seis meses depois do casal anfitrião ter se conhecido na sessão de pesquisa. O experimento é simples, e dura menos de uma hora: 45 minutos, nos quais os participantes interagem respondendo mutuamente a 36 questões, finalizados por quatro minutos em que os participantes se olham nos olhos em silêncio.

A intenção do estudo foi criar um questionário no qual os participantes pouco a pouco conheçam as camadas mais pessoais da vida do outro. Como a própria Mandy explica, a experiência se parece com ser um sapo dentro uma chaleira, a água vai esquentando de maneira tão sutil, que você não percebe a que temperatura está chegando. Para isso, inicia-se com perguntas simples como “Podendo escolher entre qualquer pessoa no mundo, com quem você gostaria de jantar?” e “Você gostaria de ser famoso? De que modo?”; se tornando cada vez mais pessoais, com questões como “Gaste quatro minutos para contar ao seu parceiro sua história de vida, com a maior quantidade de detalhes possível” e “Qual sua lembrança do passado mais querida?”. Em meio a isso, existem questões que geram a proximidade entre os interlocutores: “Diga três coisas que você e a pessoa com quem está conversando parecem ter em comum.” e “Se revezem ao compartilhar uma característica que considera positiva na pessoa com quem está conversando. Compartilhem cinco coisas.” Com isso, os participantes aumentam seu conhecimento e exposição um ao outro, o que acaba muitas vezes por gerar intimidade. Em questionários pós-pesquisa, Aron constatou que quase 60% dos participantes voltaram a conversar após a sessão, e 3 em cada 10 saíram juntos para fazer alguma coisa posteriormente.

Por fim, cabe salientar que Catron mesmo afirma que a paixão gerada após o experimento provavelmente não foi ocasionada somente devido a ele, uma vez que ela e seu parceiro já estavam de olho um no outro há algum tempo. Os resultados do estudo, é importante também ressaltar, não garantem que ninguém vá se apaixonar por você, o que eles parecem sugerir é que a experiência acelera a criação de intimidade, que segundo estudos parece ser um grande contribuidor para o surgimento de uma paixão. Para quem tiver curiosidade de saber todas as perguntas, o site loveactulized.com contém um aplicativo com todas elas (em inglês). Já o portal Papo de Homem traduziu todas elas no texto “36 perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem”, facilmente encontrável na internet.

Fonte: Aron, A., Melinat, E., Aron, E. N., Vallone, R. D., Bator, R. J., (1997). The Experimental Generation of Interpersonal Closeness: A Procedure and Some Preliminary Findings. Personality and Social Psychology Bulletin. Vol. 23 (4).

Marcos Nazário Psicologia - UFPR

#ciencia #psicologia #amor #saude #relacionamento #Estudante #blog